Um Retrato do Reino do Céu

Dizem que quando o Reino do Céu, ou seja, a perfeiçāo de Deus, se cumprir entre a humanidade, existirá a uniāo da humanidade. Todas as naçōes e todas as cores e todas as raças se unirāo. Bem, nesse caso, para mim as Olimpíadas me deram um gostinho daquilo que temos pela frente.

No primeiro dia dos jogos, me encontrei com uns amigos que tinham voltado de frequentar a um dos jogos. Eles haviam se divertido tanto, conhecendo atletas e suas famílias, tirando fotos, até dando entrevista a alguém da mídia. Até aquele momento, eu nem tinha imaginado em poder eu mesmo ir a um jogo – achei que simplesmente estar em Londres durante os jogos já era muito. Mas o ânimo e alegria deles – um deles disse que foi a realizaçāo de um sonho que ele nem havia sonhado – me deu uma vontadezinha. Aí… eles me disseram que ainda tinha ingressos a venda!

Puxa! Entāo voltei a casa de dei uma checada on-line, e pode crer que tinha ingressos a venda. Custavam uma notinha, mas estavam lá. Além disso, sendo que ainda conheço pouca gente em Londres, imaginava que teria que ir sozinha se fosse. Entāo entre preço e aquele desajeito do solteiro, nāo sabia se deveria me aventurar.

Entāo postei a pergunta, se deveria ir, no Facebook. É assim que a gente faz hoje em dia, né?

Imaginava que a maioria do pessoal diria, “absolutamente, vá em frente!”, mas que alguns dariam comentários sarcásticos e irritados sobre interesses comerciais ou algo assim, alguma coisa sobre as Olimpíadas com a qual eu nāo iria querer ter nada a ver.

Mas nāo. Recebi muitas das respostas positivas de encorajamento, e nenhum comentário cínico. Isso é tāo raro no mundo no qual a gente vive, inclusive entre meus amigos, entāo achei bom ir em frente (ainda mais quando meu pai decidiu que também queria participar entāo veio a Londres para ir comigo a um jogo). Consegui entradas para um jogo de Esgrima (espadas) Femenino em Equipe.

E sabe de uma coisa? Foi mesmo um dia feliz, começando ainda no desembarque to trem: umas três dúzias de voluntários estavam localizados em pontos estratégicos com grandes dedos de espuma, cor de rosa. Eles haviam se oferecido a passar o dia parados no seu ponto designado, apontando na direçāo do local, para que todos nós os espectadores o pudéssemos encontrar. Um dançava. Outro nos disse, com orgulho, “Ninguém se perdi enquanto eu estiver aqui!” Você sabia que esse Jogos contam com 70,000 voluntários para administrar os eventos?

A torcida foi fantástica, especialmente os franceses e os italianos. As filas eram longas mas foi difícil de reclamar. Até toda aquela bugiganga cor de rosa que vem cobrindo a cidade de Londres parece dar à cidade um ar alegre. Sei que a vitória é muito, muito importante para muitas pessoas, mas para a maioria de nós na arquibancada, parecia que simplesmente poder participar de um evento global e histórico era o importante.

(esta é uma foto por Reuters that is all over the Internet) Os carregadores da própria bandeira das Olimpíadas na Cerimônia de Abertura foi uma demonstraçāo impactante de como as Olimpíadas devem ser símbolo de algo que abrange as divisas que nós seres humanos criamos. Nāo conheço todas essas figuras, você conhece? A bandeira foi carregada pelos seguintes lutadores pela paz: Shami Chakrabarti, Ban-ki Moon, Doreen Lawrence, Leyma Gbowee, Sally Becker e três outros figuras que ainda nāo indentifiquei; Muhammad Ali também participou no finzinho da caminhada. A história de todos me parecem deslumbrantes.

Esta entrada foi publicada em adaptando a londres, Causas e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.