o processo de adaptar, de novo, aí voltar a viajar, de novo

Estou em Sāo Paulo. Nāo pode exister fato mais anônimo do que esse, dizer que estou nesta cidade enorme e ativa.

Volto para cá, terra da minha infância, uma vez a cada dois anos, infelizmente minhas visitas estāo ficando mais e mais curtas, principalmente porque até agora nāo fui chamada para fazer nenhum trabalho aqui. Sāo Paulo nāo está a procura de trabalhadores humanitários qualificados do jeito que paises como o Haiti, Sudāo, Timor Leste, e muitos outros, procuram. Aqui estāo basicamente por cima das coisas. Entāo me satisfaço com férias curtas de dois em dois anos. E realmente, este é um lugar tremendo para tirar férias – comida boa, muitas atividades culturais legais… nesta visita estou me fascinando principalmente em observar a arquitetura variada dos bairros mais antigos da cidade. Mas esta é a cidade da minha infância, e sinto falta de visitas longas nas quais posso simplesmente viver e estar. Afinal de contas, em visitas curtas como esta, nāo tem tempo para ver nem uma fraçāo dos meus amigos.

E, além disso, me parece ser uma reversāo do meu processo de adaptaçāo a uma vida mais estável.

A viagem noturna já mexe comigo. Hoje em dia, preciso dormir muito para me recuperar de uma viagem de aviāo que sai a noite e chega de manhā. Por outro lado, a mudança de idioma falada, de cultural local, isso eu faço tāo naturalmente, que me parece um lembrete doloroso do fato de que tenho uma capacidade tremenda para viajar e fazer transiçāo. A espera no aeroporto de Heathrow me parecia como chegar em casa, apesar de ter saido aquela manhā do meu apartamento, que deveria ser meu lar. A fila de imigraçāo, pegando minhas bagagens e passando por alfândega, tentando ser uma boa hóspede… tudo isso é tāo natural para mim que me assusta consider a possibilidade de que eu nunca domine a arte da estabilidade.

Entāo, embora esteja amando estar aqui, uma grande parte de mim queria que ainda estivesse em Londres, trabalhando no meu projeto de lá: o projeto de aprender a morar em algum lugar.

Continuo sem tirar fotos, comprar cartāos postais, procurar lembrancinhas para comprar… nenhuma das coisas típicas que fazem pessoas de férias. Sinto que se estivesse de férias nāo estaria viajando. Minha vida é, de fato, ponta-cabeça.

Entāo, em resumo, vi muitos lugares e muitas pessoas fabulosas e divertidas durante esses últimos dias que estou de volta em “casa” (minha outra casa!), mas até agora nāo tenho nada de interessante para falar aqui no blog sobre culturlaçamento. Mas me dê um tempinho… espero encontrar espaço no meu coraçāo para escrever antes de sair!

No meio-tempo, eis umas fotos de comidas locais fantásticas que comi nos últimos dias. As fotos sāo da internet – crédito é através dos links. Ao mínimo, espero que vocês leitores sejam inspiradas como o valor desta tremenda cidade de Sāo Paulo!

Pāo de Queijo

Caipirinha!

feijoada...

café com leite - tomei MUITO disso nos últimos dias!

pizza com catupiry - catupiry só se acha é no Brasil.

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. Adicione o link permanente aos seus favoritos.