Amarrando seu neném nas costas

Mencionei isso no meu último post, e quero ponderar um pouco mais a respeito hoje: mulheres com nenés amarrados nas costas. É maior barato!! Durante meus primeiros dias aqui em Burkina, dediquei uma boa porçāo do meu tempo e pique a tentativas de olhar sem mulheres repararem, tentando descobrir como era que elas amarravam esses nenés tāo firmemente que tinha confiança para manobrar uma bicicleta ou uma moto, ou entāo carregar sacolas grandes e cheias nas duas māos e a cabeça, ou entāo andar por horas sem medo de bebê cair.

Outro dia, sentada no carro, vi uma mulher ao lado da rua se dobrando como se fosse para tocar os pés com as māos, com um pano enorme drapeado em cima dela. Parecia que estava se preparando para amarrar o pano, e também fiquei com a impressāo de que tivesse um maço do tamanho de um neném abaixo do pano. Tinha que ser mais complicado do que isso, nāo tinha? Mas ontem vi outra vez, e foi isso mesmo: uma mulher simplesmente pōe seu pequenino nas suas costas e se dobra, larga o neném onde está e pega o pano, e amarra bem fortinho para segurar bem o bebe com uns nós grandōes em frente, enfim, o maior e mais importante dos nós fica, digamos, bem altinho no peito.

A coisa mais linda é que quando elas fazem isso, os pés do neném brotam pelos dois lados da māe. Se olhar uma dama amarradona de frente, você vai ver ela, pano amarrado em cima das roupas dela, e dois pezinhos lindinhos.

Sei que já comentei isso mas vou repetir… viola! Esse neném agora faz parte da mamāe, assim como quando a mamāe era grávida, apesar de que para ser completamente sincera as mulheres parecem ser nem um pouco incomodadas vestindo bebe nas costas, entāo imagino que canse menos do que vestir o filho na parte de frente como se faz quando grávida. E digo isso mesmo tendo visto crianças até pelo menos dois aninhos de idade amarrados assim. Esse fardo nāo pode ser tāo leve assim nāo, porém essas mulheres continuam vivendo suas vidas como se nāo estivessem carregando outra pessoa nas costas!

Esta entrada foi publicada em mulheres, viagem e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.