Adaptando a Londres – capítulo 5

Recebi um voucher por uma semana como visita numa academia local. Londres é uma cidade maravilhosa para coisas de graça, para quem souber manipular o sistema. O meu ex-companheiro de casa sabia manipular bem e sempre recebia coisas gratuitas. Eu nāo tenho este talento, mas esse voucher quase que se jogou para mim entāo usei.

Ir a uma academia é uma oportunidade linda por uma socióloga culturlaçante. A academia fica num bairro que é principalmente afro-caribeu e africano, mas a clientela da academia era bem mais mista do que isso. Tremendamente diversa.

Alguns aspectos da academia eram sem dúvida mais africanos do que ingleses, pelo menos na minha ideia de o que seria africano ou britânico. Por exemplo, tinha muito mais homens na esteira do que mulheres, e a maioria dos homens correndo enquanto a maioria das mulheres andando. É assim no Oriente Médio e, imagino, na África. Mas nāo foi o que imaginava fosse o caso no Reino Unido. Vários daqueles homens correndo também me encaravam sem vergonha, enquanto eu levava minha esteira muito a sério. Eles nāo olhavam tāo inapropriadamente que eu precisava sair, e devo apreciar a cultural inglesa que chegava nessa academia, pois quando reparei o que faziam, uma olhada irritada de mim foi o suficiente para que eles virassem os olhos. Entāo pude correr em paz, e esse resultado é sem dúvida mais britânico do que americano, pelo menos nos estereótipos que eu tenho. Nos mulheres onde eu morei antigamente, eu só iria a uma academia mista (ou seja, nāo só para mulheres) se sua clientela fosse todos estrangeiros. Até a academia no meu hotel chique 5* no Egito tinha um problema com os funcionários fazendo nada na sala de ginástica quando eu usava a esteira e nāo tinha mais ninguém nem motivo pela presença deles.

Pois entāo, a academia aqui tinha um nível baixo do inapropriado mas realmente nada demais.

O nome da academia é Fitness First

Apesar da sua ausência nas esteiras, tinha bastante mulheres lá. Nas bicicletas, levantando peso, no spá, na sala de aeróbia. Acho que minhas reaçōes principais às mulheres nāo seriam apropriadas por um blog público. Só direi aqui que a vida no vestiário foi bem diferente àquilo ao qual eu estava acostumada.

Entāo em termos de me acostumar a Londres, aprendi o seguinte: uma academia é um lugar tremendamente introvertida. Quem nāo quiser falar com ninguém nāo fala. Tenho que confessar que curti uma semana linda comigo mesmo. Ao mesmo tempo, foi uma janela para o mundo de pessoas que nāo teria outro motivo para conhecer. É difícil de imaginar em que outro contexto eu poderia conhecer as pessoas que encontrei na academia. Entāo talvez a minha atitude introvertida nāo foi das melhores, e deveria ter melhor usado a oportunidade que me foi apresentada. Finalmente, foi um chupa-tempo! A aventura demorou entre 2 e 3 horas a cada dia, contando a caminhada para chegar lá, o exercício, banho, e o tempo que precisei para me ajeitar e arrumar. Foi uma semana linda para mim, mas uma pessoa de Londres que é membro deve ou nāo trabalhar em outro lugar, ou ser super-comprometido, ou entāo ter pique que nāo acaba para fazer tanta coisa.

Esta entrada foi publicada em adaptando a londres e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.