Açāo de Graças cheia de Esperança

Neste último final de semana, tive a oportunidade rara de inicar uma atividade Culturlaçante, introduzindo aos meus amigos uma tradiçāo cultural em forma de um evento na minha própria casa. Minha companheira de casa e eu convidamos amigos para participar de… uma festa de Açāo de Graças!

Creio que o Dia de Açāo de Graças é a parte da minha herança americana da qual tenho mais orgulho! Bem, isso e biscoitos de gotinha de chocolate.

Transformamos nosso pequeno apartamento numa fonte de gratidāo ao comermos pratos tradicionais americanos típicos deste feriado mas em forma de lanchinho (bolinha de batata doce, pasteis de vagem, pāo de bata doce em bolinho, torta tamanho “baby”, etcetera e tal), e curtimos a companhia um do outro.

Já que muitos haviam me perguntado sobre a história do Dia de Açāo de Graças, sobre o significado do feriado e o motivo pelo qual os americanos o comemoram e justamente no final de novembro, dei uma apresentaçāo de um vídeo em desenho, do Charlie Brown e Snoopy que conta a história tradicional que aprendi como criança, na qual os peregrinos atravessam o oceano a busca de liberdade religiosa mas quase nāo sobrevivem, só conseguindo graças à ajuda dos povos indígenos, uma história de cooperaçāo e gratidāo pela sobrevivência. Amo essa história e amo que usamos a história como uma lembrancinha de que devemos ser grato pelas coisas boas nas nossas vidas.

Além disso, cobrimos uma parede com cartolina e pedimos a cada visita que escrevesse pelo qual era grato. Adorei ver a parede se enchendo ao longo do dia, e o sentimento positivo que acompanhou o ato de escrever nossa gratidāo. Me disseram que essa coisa de escrever era mais apropriada na cultura inglesa do que aquilo que gostamos de fazer nos EUA: sentar e pedir que cada um fale ao grupo, geralmente antes de comer! Mas os ingleses nāo gostam de ter que pensar em uma coisa positiva de forma tāo pública – disseram que tirar a pressāo e deixar eles escrever à vontade sem ninguém olhando facilitou a honestidade e positividade. No total, umas 30 pessoas participaram e cada uma escreveu algo, entāo aqui vou anotar somente alguns dos que mais me fascinaram…

“O amor de Deus, até para ajudar inimigos se tornarem amigos”

“Muitos amigos lindos que apoiam um ao outro”

“Nāo é ser espertinho mas é que sou grato(a?) por todas as coisas que nāo posso dizer em voz alta”

“Amigos… Comida… Risadas… Sorrisos”

“Por amigos e familiares no mundo enteiro”

“O coraçāo de pai de Deus”

“Saúde”… aí outro disse: “Eu também!”

E eu? Digo que Eu Também a todos esses. E também sou grata por ter amigos tāo lindos com os quais pude comemorar meu feriado americano predileto.

Parece que chegou a hora de começar a pensar sobre Natal.

Esta entrada foi publicada em adaptando a londres, esperança e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.