A experiência de Brick Lane

Um Lugar Chamado Brick Lane é um dos meus livros prediletos de todos os tempos. O filme também nāo é nada mal. Os dois me deixaram em choros.

No filme, há uma cena na qual Nazneen entra no mercado Bangladeshi em Brick Lane, e se vê faixas de tecido colorido panejadas de uma lojinha ao lado de uns restaurantes servindo comida autência do Bangladesh. E foi assim que, nāo querendo nada, nem um tintinho da vida dela, senti um pouco de inveja dela só pelo fato dela morar perto de Brick Lane. Adoraria estar próxima aquelas cores e aqueles cheiros e aqueles sabores!

Entāo levei um leve susto quando meus companheiros de casa me informaram que moramos nāo muito longe de Brick Lane. Uma conduçāo só. Melhor ainda, uma caminhada de 45 minutos! Como posso morar táo próximo a um lugar que me captou, e nunca ter visitado?

Entāo eles se ofereceram a me levar para lá no sábado. E sábado foi, mesmo, um sonho realizado. Meu companheiro me mostrou atraçōes grandes como a famosa Ponte do Torre, o Torre de Londres, a arquitetura moderna famosa da área, Estaçāo de Liverpool Street, etc. Deve ter estranhado minha insistência que continuemos em frente para chegar até Brick Lane!

Eles já me avisaram que sábado nāo foi o dia de mercado, mas mesmo assim nāo houve decepçāo nenhuma. Verdade que nāo encontrei as faixas coloridas panejadas acima de mim. Mas em Petticoat Lane, do ladinho, vimos dúzias de lojas com saris coloridos e sapatos coloridos e lenços coloridos.

E. Encontrei casinhas de comida fascinantes, o suficiente para manter uma viciada em comida como eu ocupada, literalmente, pelo resto da vida. Senti o cheiro das especiaris e currís ao passar pela parte Bangladeshi da Rua Brick Lane. Homens de pele escura que tem grande coragem em Londres ondes as pessoas tem mania de ignorar um ao outro, gritaram, nos chamando para comer nos seus restaurantes. Até passamos um que tinha uma placa dizendo que ganho o “Prêmio Chefe do Ano” em 2010.

Aí passamos da parte Bangladeshi para a parte, por falta de palavra mais apropriada, hippy. Foi marcada por móveis usados e outras antiquidades, roupas vindimas o suficiente para encher armazéns e armazéns, e uma variedade de comidas maior ainda do que aquilo que acabáramos de passar!

E foi aqui que comemos. Senti que tinha subido para o céu. Tinha que escolher dentre comida tailandesa, japonesa, chinesa, mexicana, mediterrânea, etiópia, crepes, chocolate quente com Baileys, e café irlandês. E essa é a baixa temporada: aparentemente durante a temporada do verāo o número de barracas é o dobro! Escolhi comida Sri Lanquesa: por um preço bem razoável, me deram um potinho nāo muito grande e o encheram além de cheio com tudo que é delícia.

Assista (ou leia?) Brick Lane e sonha em curry. Aí vá e compra umas roupas vindimas e tome um café irlandês. (sorrisos)

Esta entrada foi publicada em viagem e marcada com a tag , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.