2003

Embora 2004 fosse um Natal bom, provavelmente foi 10000000 de vezes melhor pelo contraste que deu ao Natal de 2003. Esse foi o Natal em que aprendi o abandono, o que é ser realmente a sós no mundo. Foi esse o Natal que quase passei sozinha no meu dormitório nas dependências da universidade porque nāo tinha convite nenhum. Naquele ano, tinha um conflito de três convites no dia de Açāo de Graças e lutei para escolher entre eles. Aí, até o dia 24 de dezembro, nāo tinha convite nenhum para Natal. Isso pode parecer pequeno, mas morando em um lugar assim, a gente deve cuidar um do outro mas foi aí que descobri que nāo cuida nāo, só cuida quando é fácil. Cheguei a entender que ninguém no Líbano se importava o suficiente para sair da sua zona de conforto e me acolher com a família. Se importavam o suficiente para me convidar num feriado que nāo é nem feriado, mas nāo no dia em que sentimos mais a necessidade de pessoas. Mas o pessoal é bonzinho, quando alguns amigos ficaram sabendo daquilo que aconteceu comigo, me ligaram no dia 24 e convidaram para passar tempo com eles.  Ceiei no dia 24 com uma amiga e amigos dela, e almocei no dia 25 com outros amigos. Foi tudo mei distante e formal, pois meu coraçāo já fora quebrado, mas mesmo assim, senti a Graça.

Por outro lado, convite para ajudar a fazer tortas é fácil! Ou será que o convite de jantar no Natal veio com um requisito de obra contribuida? Nāo me importei nem um pouco - afinal das contas, adoro cozinhar

Esta entrada foi publicada em Uncategorized e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.